imagem ilustrativa conteúdo sobre metodologia foresight

Foresight: sua empresa está preparada para o futuro?

Sumário

Em processos de planejamento estratégico, tradicionalmente as empresas criam objetivos a serem alcançados entre três e cinco anos, já que compreendem ser difícil saber o que acontecerá mais além. Mesmo nesse prazo estipulado, o que foi planejado pode não sair exatamente como o planejado. É claro, o mundo muda cada vez mais rápido, e as lideranças das empresas devem ter consciência de que seguir um plano que foi feito no contexto X não funcionará tão bem para o novo contexto Y.

E se eu disser que pensar onde a empresa quer estar daqui cinco anos talvez não seja o suficiente? Minha posição é que as organizações em geral deveriam pensar em um prazo ainda mais longo! Contraintuitivo, certo?

Explico.

Seja como seres humanos ou como organizações, temos mais facilidade em pensarmos no curto prazo. Isso é devido à nossa flexibilidade mental – em períodos entre um e cinco anos, normalmente, ficamos presos a como as coisas são hoje, nosso status quo

Por exemplo, se você tem uma fábrica de móveis de alto padrão, sabe que muito provavelmente daqui a cinco anos continuará fabricando móveis. Talvez vendendo para outras regiões, ampliando sua carteira de clientes atuais, talvez expandindo para outros segmentos de clientes, ou contando com fornecedores melhores, etc. Boas pesquisas de mercado podem trazer informações relevantes do que fazer no planejamento estratégico. 

Se a sua fábrica de móveis olhar exclusivamente para o curto prazo, possivelmente vai continuar fabricando móveis cada vez melhores para o consumidor atual. Mas e o consumidor do futuro? Quais serão as suas dores e necessidades? Será que quando o futuro chegar, você estará entregando o que ele precisa? Ou recém terá identificado em uma pesquisa de mercado as novas necessidades, e vai desenvolver produtos que as atendam? São as empresas que olham apenas para o curto prazo que perdem para novos disruptores que trazem ao mercado soluções mais adequadas para o futuro.

Mas, afinal, o que é o foresight?

Ao longo dos anos, venho desenvolvendo estratégias de inovação para médias e grandes empresas de diversos segmentos em diferentes geografias. Tenho cada vez mais certeza sobre a necessidade de empresas buscarem a prosperidade no longo prazo e olharem para horizontes mais longínquos – sem perder de vista, obviamente, o que acontece no curto prazo!

O seu planejamento estratégico deve sim preparar a sua empresa para os próximos três a cinco anos, mas também deve fazer previsões e cenários de longo prazo para prepará-la para o futuro. É nesse contexto que se torna cada vez mais importante a utilização de metodologias como o foresight em organizações inovadoras.

Em linhas gerais, foresight é o processo de transformar fatos sobre o presente em visões do futuro que sejam plausíveis, provocativas e lógicas. Esta é uma prática que engloba pensamento criativo sobre possibilidades de futuro e análise sistemática de padrões que afetam as mudanças. As ferramentas de foresight nos ajudam a sentir, interpretar as mudanças e a comunicar essas possibilidades.

Futuristas utilizam essa metodologia para criar cenários futuros tanto para questões pessoais, quanto para o contexto de suas empresas. Apesar da necessidade de estimular a criatividade na construção de campos futuros, isso não é suficiente. É fundamental que haja a identificação e profunda compreensão sobre os sinais de mudança. É também importante a adoção do ceticismo para que o contexto construído não se torne uma fantasia, além da flexibilidade mental para enxergar novas possibilidades e a empatia para se colocar em um contexto de dez anos (ou mais).

Um estudo longitudinal publicado em 2018, aponta que empresas que exercitam previsões de futuro possuem lucratividade 33% maior do que a média, e um crescimento de capitalização de mercado 200% maior quando comparadas com a média da amostragem.*

*Rohrbeck, René and Kum, Menes Etingue: Corporate foresight and its impact on firm performance: A longitudinal analysis.

Foresight como metodologia para inovação

Voltemos ao nosso exemplo da fábrica de móveis: vamos fazer um breve exercício de foresight para imaginar o impacto dessa metodologia na nossa estratégia de inovação.

SINAIS: O Google quer colocar sensores em banheiros inteligentes para monitorar a saúde das pessoas. Além disso, um estudo da Intel apontou que 70% dos respondentes alegaram que compartilhariam os dados do seu banheiro inteligente (Smart Toilet) para reduzir os custos de saúde.

Tendo esses sinais mapeados, podemos imaginar que até 2031 haverá uma generalização do uso de sensores não só em eletrodomésticos, mas também no banheiro da casa de determinados clientes dessa empresa. Ou seja, tudo se torna inteligente: espelho, vaso sanitário, tapete, banheira e chuveiro.

Todos os dias você poderá utilizar o banheiro da sua casa e saber se possui álcool no sangue, se está grávida, níveis de açúcar no sangue, quais medicamentos está consumindo, como estão seus hormônios, como está seu peso e Índice de Massa Corporal, se você possui alguma doença infecciosa, entre outros dados.

Agora vamos pensar o que isso poderia impactar:

  • Redução de pacientes nos hospitais, pois diagnósticos mais superficiais podem ser feitos em casa;
  • Aumento da demanda por telemedicina para conversar com um médico após o diagnóstico obtido no seu banheiro;
  • Aumento da necessidade de cibersegurança para garantir proteção dos dados das pessoas contra ataques cibernéticos;
  • Possibilidades de transformar seu espelho em um marketplace, em que você experimenta uma maquiagem, por exemplo, e pode adquiri-la através do espelho inteligente;
  • Possibilidades de conectar seu banheiro inteligente a wearables para identificar se seus exercícios físicos e qualidade do sono estão contribuindo para sua saúde;

Se reuníssemos um grupo de pessoas multidisciplinar e diverso, poderíamos chegar a dezenas de insights juntos. Mas acredito que eu fiz meu ponto com esses poucos exemplos.

Tendo esse cenário (e outras possibilidades de contextos) em mente, as lideranças da fábrica conseguirão ter mais informações para tomar suas decisões no seu planejamento estratégico de três a cinco anos.

Se o cenário para daqui a dez anos é esse, então precisam, ao passo em que investem no seu core business, começarem a investir em inovações adjacentes e transformacionais, como IoT e objetos inteligentes, cibersegurança, desenvolvimento de software, big data, inteligência artificial, modelos de negócio como o de marketplace e software como serviço, entre outras coisas. Assim, possivelmente essa fábrica de móveis estará mais bem preparada para as necessidades e oportunidades no futuro.

>>>>Leia sobre como construir uma tese de inovação

Abstraindo-se do exemplo dado neste texto, a mensagem aqui é: para continuarem relevantes no futuro, as empresas devem utilizar metodologias que estimulem previsões de longo prazo baseadas em sinais concretos de mudanças, as quais devem gerar insights para que possam tomar melhores decisões sobre o futuro. Caso contrário, continuarão fabricando câmeras fotográficas analógicas em um mundo digital.

Cesar Costa

Cesar Costa

Sócio da Semente Negócios, apoia organizações no diagnóstico e desenvolvimento de estratégias de inovação. Também é autor do Corporate-up, metodologia de inovação corporativa. Mestre em Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade pelo PPGA/UFRGS, estudou management na Lund University, na Suécia e Strategic Management & International Business na University of La Verne, nos EUA. É coach profissional formado pelo Instituto Brasileiro de Coaching e mentor no InovAtiva Brasil. Já apoiou o desenvolvimento de diversas startups e empresas de médio e grande porte.

1 comentário em “Foresight: sua empresa está preparada para o futuro?”

  1. Pingback: O futuro do trabalho é agora: como as organizações (e você) podem se adaptar para o home office ser mais produtivo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *