o paradoxo da prosperidade fala sobre inovações criadoras de mercado

Inovações criadoras de mercado: o que inovação tem a ver com prosperidade

Sumário

Muito se escuta sobre o fracasso ou o mau desempenho de programas que buscam a superação da pobreza e o desenvolvimento socioeconômico de países em desenvolvimento ou subdesenvolvidos. Várias iniciativas focam no alívio dos sintomas, o que é mais do que justo. No entanto, quando não são associadas a investimentos em educação, em fortalecimento das instituições e ações que geram emprego e renda, assim que descontinuados, conduzem as pessoas para a mesma situação em que se encontravam inicialmente. As inovações criadoras de mercado tem a possibilidade de mudar esse cenário.

Grande parte da ajuda internacional e do trabalho de ONGs acaba tendo esse fim e vemos, mesmo depois de volumes enormes de dinheiro despendido em diversas regiões, equipamentos públicos abandonados e situações de miséria e desalento entre as populações. 

O problema é complexo e a solução demanda uma série de ações coordenadas durante um longo período de tempo, até que a sociedade se desenvolva de fato. Ok, mas o que a inovação tem a ver com isso? Novas teorias, destacadamente aquela apresentada no ótimo “O paradoxo da prosperidade”, do renomado professor Clayton Christensen, que cunhou o termo inovação disruptiva, em coautoria com Efosa Ojomo e Karen Dilon – nos mostram o caminho.

As inovações criadoras de mercado

Não é qualquer tipo de inovação, mas aquelas que eles chamam de inovações criadoras de mercado. E o que caracteriza esse tipo de inovação? Bem, o senso comum nos leva a crer que o ambiente de negócios deve estar “organizado” para que haja espaço para o investimento em inovação em um certo país. Mas segundo a teoria das inovações criadoras de mercado, é exatamente o contrário: a inovação é o que permite e impulsiona o desenvolvimento e a prosperidade das nações.

Pode parecer contraintuitivo, mas ao longo do delicioso livro, os autores mostram que inovar em ambientes marcados pela pobreza, pela corrupção, pela falta ou fraqueza das instituições e pela falta de dados sobre tamanho e potencial de mercados, não só promove o crescimento de empresas, como também impulsiona o desenvolvimento inclusivo e sustentável da sociedade como um todo. 

Você deve estar se perguntando: como assim? Os autores explicam e eu tento aqui humildemente resumir. Segundo eles, quando os esforços feitos em um país se mostram insuficientes para alavancar seu desenvolvimento socioeconômico, o problema pode ser a falta de inovação. 

Soluções simples e acessíveis: um ótimo negócio para o empreendedor e para a sociedade

inovação e prosperidade devem andar juntas

Sociedades em desenvolvimento têm em comum uma infinidade de problemas estruturais e o acesso restrito a diversos produtos e serviços. É exatamente aí que as inovações criadoras de mercado entram. Esse tipo de inovação tem o poder de criar as bases econômicas para o crescimento sustentável.

Isso porque, a partir dela, uma empresa passa a oferecer para um grande número de pessoas acesso a um produto ou serviço que antes estava disponível para uma pequena parcela da população, ou mesmo que ainda não estava disponível. Dessa forma, pode impulsionar o desenvolvimento econômico da sociedade, ao mesmo tempo em que gera riqueza para os empreendedores. 

Outro ponto importante desse tipo de inovação é a possibilidade de aproveitar modelos de negócios e cadeias de valor que focam em lucros. E isso é possível porque a inovação foca em lucros sustentáveis e que podem se desenvolver. Para isso, geralmente é utilizado um tipo de tecnologia adaptado para um novo modelo de negócio, que funciona naquele território específico.

E essa é outra característica desse tipo de inovação: ela é desenvolvida pensando especificamente nas condições daquele território, e fazendo produtos e serviços que sejam simples e fáceis o suficiente para atender às necessidades locais.

As inovações criadoras de mercado também geram empregos nas localidade, que todos sabemos que são um dos principais fatores de desenvolvimento econômico e social de uma nação. Esses empregos têm uma característica própria: são aqueles destinados a atender o mercado local e dificilmente podem ser feitos fora do território e, por isso, são melhor remunerados. 

E por último, mas não menos importante, as inovações criadoras de mercado são escaláveis. Porque ampliam o acesso a produtos e serviços, as inovações têm um alcance enorme e escalar é parte do processo.

O impacto das inovações criadoras de mercado

inovação criadoras de mercado causam impacto

Juntando tudo isso temos uma empresa que ousa ao oferecer um produto ou serviço que é muito necessário, mas que antes não existia ou tinha acesso limitado em um mercado. Com isso, há um impulsionamento de um ciclo virtuoso de crescimento sustentável. Além de permitir aos consumidores acesso a soluções para diferentes problemas, gerando contratações, construção de infraestrutura, impulsionamento de cadeias de valor. Como resultado, há o estabelecimento de bases sólidas para o crescimento econômico e para a prosperidade.

Pense no impacto que tiveram no Brasil os planos pré-pagos de celular ou os bancos digitais que permitiram o acesso a esses serviços fundamentais a milhares de pessoas que antes não podiam utilizá-los. Indo um pouco mais longe, imagine a revolução que aconteceu com a popularização do automóvel, tanto nos Estados Unidos como por aqui. 

As inovações criadoras de mercado são uma forma sustentável de trazer prosperidade para sociedades – pois não apenas geram riquezas como também melhoram a qualidade de vida das pessoas. 

Isabela Scarioli

Isabela Scarioli

Consultora de inovação social na Semente Negócios. Mestre em administração pela Universidade de Leipzig, especialista em gestão de negócios pela Fundação Dom Cabral e publicitária e relações públicas formada pela UFMG. Atua ainda como empreendedora, comunicadora e especialista em estratégia, branding e inovação.

1 comentário em “Inovações criadoras de mercado: o que inovação tem a ver com prosperidade”

  1. Pingback: Hackathon estendido como ferramenta para fomento à Cultura de Inovação: Caso Mercur

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *